Notícias de Jogos: Neymar tem que pensar se joga a Copa para o Brasil ou para ele.

O técnico Vanderlei Luxemburgo, que trabalhou com Neymar no Santos em 2009, analisou o rendimento do jogador na primeira partida do Brasil na Copa do Mundo da Rússia. O treinador, atualmente sem clube, colocou em dúvida se o camisa 10 usa todo o seu talento no futebol para o time ou para ele mesmo.
“Ele tem que mudar algumas coisas no comportamento. Está jogando a Copa do Mundo para ele ou para o Brasil? Ele coloca o talento à disposição do coletivo ou está conjugando o verbo na primeira pessoa do singular?”, disse Luxa em entrevista ao Band Esporte Show, da Rádio Bandeirantes de Porto Alegre.

Vanderlei criticou algumas atitudes de Neymar, principalmente nas reações às faltas que sofre em campo: “Não dá para valorizar uma falta como se tivesse quebrado uma perna ou uma cabeça”, completou.
Sem tirar a culpa do jogador pelo desempenho da Seleção Brasileira no empate por 1 a 1 contra a Suíça, Luxa criticou parte da imprensa pelas questões que surgiram sobre a qualidade da equipe.
"Você não começa a ser bom em 90 minutos e também não deixa de ser bom em 90 minutos. É a segunda Copa do Mundo dele, as pessoas são radicais demais", disse sobre Neymar.
O treinador também ressaltou as diferenças no futebol antigo para o moderno, e acredita que os conceitos devem ser discutidos: “O que é o moderno? A comissão técnica, a velocidade de jogo, a relação entre os jogadores, a estrutura que tem por trás? A gente não sabe até onde pode ir essa modernidade”
Ao relembrar a passagem pela Seleção Brasileira, Luxemburgo disse que sua saída foi injusta: “Me crucificaram. Eu era o Judas da Seleção Brasileira. Arrumaram um monte de histórias e não provaram nada contra mim. Foi uma grande covardia”.
Vanderlei chegou à seleção em 1998, após a saída de Zagallo, e foi demitido em 2000. Além de eliminado por Camarões na Olimpíada de Sydney, o treinador enfrentava problemas judiciais, desde sonegação de impostos, intermediação ilegal na venda de jogadores, até a adulteração de certidão de nascimento.
Árbitro de vídeo
Perguntado sobre o uso do VAR (Video Assistant Referee) para análise de lances nas partidas, Vanderlei Luxemburgo se colocou favorável à tecnologia. “Tem ajudado em bastante coisa, e pode definir um jogo. Mas o acerto e erro do ser humano [decisões dos árbitros] também têm que ser mantidos”.
Nos lances que viraram polêmica e motivo de reclamação da CBF à Fifa, Luxa usou estatísticas para supor que o erro maior foi da Seleção Brasileira: “Não sei se foi falta no Miranda nem pênalti no Gabriel Jesus. 90% das bolas de escanteio caem no segundo pau, o goleiro [Alisson] deveria ter se adiantado”, completou.

página do jogo do bicho